12 fevereiro 2009

Preciso dividir essa culpa

"Atualmente as vacas são induzidas por hormônios a produzir muito mais leite do que sua natureza permitiria. Tratadas como máquinas, são obrigadas a viver constantemente grávidas - por inseminação artificial, mas são impedidas de amamentar seus filhotes. Contraem infecções nas mamas, sentem dores e quando exauridas são mortas."


Desde que recebi por email este cartaz do instituto de proteção animal Nina Rosa, fiquei preocupada com as vacas. Nunca mais tomei uma xícara de leite tranquila. Já optava há tempos por comprar ovos de galinhas felizes, mas nunca tinha parado para pensar a respeito do leite e suas produtoras.
Concordo plenamente que todos deveríamos ingerir menos leite, porque ao contrário do que se prega por aí, ele não é tão benéfico assim e muito menos a melhor fonte de cálcio. Até tomo leites vegetais com frequencia, mas o (meu) grande problema é que eu gosto de leite e seus derivados, e não sei se vou conseguir desapegar completamente dele, mesmo dilacerada pela culpa de colaborar com a exploração e sofrimento das vacas e bezerros.
Para minimizar a inquietação, fui em busca de alguma marca que tratasse melhor nossas amigas.

Encontrei no mercado o leite integral em caixinha e sem consevantes da marca "Naturallis" com o rótulo "Orgânico" e certificado pelo Instituto Biodinâmico. Não contente com as poucas informações da embalagem liguei para o SAC e falei com o responsável, um simpático senhor mineiro que me explicou tudo direitinho. Ele me contou que lá na fazenda as vacas são tratadas com homeopatia, não tomam hormônios para produzirem mais leite, não são afastadas dos bezerros, são ordenhadas mecânicamente em ambiente tranqüilo, são alimentadas com milho e capim da fazenda e quando apresentam mamite (infecção nas mamas) ou alguma outra doença que não se conseguiu tratar com a homeopatia e fitoterápicos elas são tratadas com antibióticos e são afastadas da ordenha.
Falei-lhe que procurava uma usina onde as vacas fossem bem tratadas, e ele me contou umas histórias terríveis de fazendas que ele já conheceu. E gostou do meu telefonema, falando que vai avisar à diretoria que o consumidor se preocupa com isso!

E então? Vamos aderir a essa nobre causa?

11 comentários:

Déia Tariga disse...

Claro Karin...Pode contar comigo...
Sabes que eu amo café com leite e de uns anos pra cá tenho tomado café com leite ou invés do que normalmente se toma, leite com café!
Pode deixar vou prestar mais atenção neste caso, e com certeza diminuir a quantia de leite e seus derivados!

Grande Bj p/ vc!

Rodrigo disse...

Muuuuuuuuuuuuuito bem!

Vânia Almeida disse...

Nossa Karen, você tem um coração muito bom. Gosto tanto de leite e agora vou ficar com a consciência pesada quando for tomar. :(

Hellene Louise disse...

Karin,
Adorei o seu post! Não consumo mais leite de vaca...entrei na campanha e fiz um post no meu blog também:
http://diariodehellene.blogspot.com/2009/02/consumo-de-leite-de-vaca-mude-de-ideia.html
Beijos! Lulu.

Raquel disse...

Já aderi, mas sem querer. Tenho intolerância à lactose, o que me impede há muito tempo de tomar leite ou ingerir seus derivados. Mas, de fato, você está certa em promover essa conscientização.

AMELINHA disse...

que alivio...
Sempre que tomo leite me sinto culpada.
Sou vegetariana,só consumo ovos KORIM,mas faltava o leite...
Será queeles pruduzem queijos tb?
Obrigada pela informação.
Estou acompanhando seu blog e adorando!!!

Amelinha

Cláudia disse...

Fico muito contente porque não bebo leite de vaca desde Dezembro. Adorava leite com café! Não me custou nada deixar o leite, mesmo nada.
Agora bebo mais vezes chá e sumos naturais. Já sinto, desde essa altura, a pele da cara mais macia.
Beijinhos
Cláudia

Javier B disse...

La leche de vaca es para los becerros. Sin embargo, no pasa nada por beberla, siempre y cuando se le pida permiso. Pero, ¿quién hace eso? Nadie.

Beijos

Lígia disse...

Karin,

O homem ainda enxerga a natureza como simplesmente fonte de renda e não como necessidade de sobrevivência, resultando nestes excessos. Só falta ser vendido o ar que respiramos, se já não estamos caminhando para isto.

Agora as vacas, anteriormente, as mulheres, cada qual teve seu tempo histórico... afinal, já houve tempos que procriar seria adquirir bons filhos para lavrar a terra (Já viu o filme 'Minha vida em outra vida'?).

Bela iniciativa a divulgação!

Acabo de aderir!!!

Tenho evitado ir na roça para não ver tais questões e é exatamente isto que não podemos fazer. A mudança é na atitude!

Parabéns!

Clarinha disse...

To com saudades! :)

Anônimo disse...

Karin

Olha menina, vivemos em um pais com mais de 150000000 de habitantes, temos problemas sérios com a alimentação e com fome. Para a manutenção da sociedade é preciso produzir alimentos de maneira eficiente e barata. Existe uma alternativa, claro, é deixarmos de organizar da forma que nos organizamos. Que vivamos como homens da pedra. Fora isso qualquer medida será antiecológica, a essência da pecuária e da agricultura e ser antiecológica. Cuidado com esses pensamentos simplistas, que parecem não conter perigo.
Falar de ecologia seriamente, sem tais balelas é se preocupar com o equilíbrio de destruição inevitável e preservação. Sinto muito, mas as vacas das quais vc tem pena, so existem por causa de sua função, caso contrario nem existiriam...
XUXu