12 dezembro 2008

Como evitar catástrofes gastronômicas


Venho de uma família que gosta de comer, e de cozinhar e se reunir. Quando todos se juntam para almoçar, a mesa de sobremesas costuma ter mais itens do que os pratos salgados.
Outro dia minha mãe e uma amiga dela vieram me visitar. Minha mãe disse que traria um bolinho, para que eu não me preocupasse com isso. Então comprei apenas uns petit-fours salgados, mais o bolinho e uma café está ótimo, pensei.
Elas chegaram, mami com dois quitutes, um enorme bolo chiffon de limão e um doce com creme e suspiro, a amiga com uma panetone recheado de mousse e coberto com chocolate, um tsunami calórico. Afe! A orgia estava instalada. Estávamos em apenas 3 pessoas... e depois tudo aquilo ficaria em casa, onde só 2 pessoas comem.
Para não me afogar em glicose e amargar num arrependimento ao gosto de cabo-de-guarda-chuva mais tarde, depois de comermos uns pedacinhos de cada coisa, resolvi me livrar instantâneamente de tudo aquilo. O panetone-bomba foi direto para o trabalho do marido, onde muitas pessoas poderiam dividí-lo, assim ninguém morreria de sugar-blues. O doce de creme foi imediatamente para o freezer, guardado para a próxima visita. Os petits-fours foram alegrar a família da faxineira e o bolo de limão está aqui... quer dizer, estava até há pouco... mas ainda bem que não fui eu quem o detonou!

Meu conselho é: Nessa época festiva, não abuse do seu fígado, nem da sua força de vontade, simplesmente distribua, doe e suma com as tentações que sobrarem da sua frente!